domingo, 6 de julho de 2008

Carência afetiva e alimentação


As histórias sobre comida são ricas e variadas, indo além pode esconder questões importantes: quando se está triste logo se apresenta uma canja, leite quente, docinho... a comida ocupa o lugar do diálogo, do parar e ouvir qual é a dor do outro; ou então a dor é ‘ouvida’ mas abafada pelo alimento ‘coma que isso passa’. Adoce sua vida.
Assim se cresce, aprendendo que comer alivia o sofrimento, traz novas sensações...aos poucos começa a empanturrar de comida, já que a dor continua ali...é preciso comer mais para evitar que ela apareça.
É mais fácil evitar a dor responsabilizando a comida...assim ao se sentir rejeitado(a), a pessoa racionaliza que isso é porque está acima do peso, quando emagrecer será diferente.
A comida é a companheira para todos os momentos, não reclama, não vai embora quando mais se precisa dela, não abandona.
Os regimes não funcionam porque comida e peso são sintomas, não os problemas.
A comida ocupa o tempo. Engordar e emagrecer, regimes...tornam uma montanha russa emocional. Você se odeia por comer demais e quer emagrecer, ou quer acabar com você porque come demais. Sofrer é uma maneira de estar no mundo.
Qual a dor que a comida esconde?
Qual a sensação não pôde ser vivida?
A pessoa vive com a sensação de quando for magra conseguirá conquistar aquilo que deseja. Será?!!
Imagem: Google images

2 comentários:

cadeorevisor disse...

Uma coisa é fato: nunca vi regime que funcione.

Beijo,

Pablo
http://cadeorevisor.wordpress.com

Florzinha e Lindinha disse...

Sei lá, eu sou justamente o contrário de muitos, tem gente qdo está sofrendo por amor come demais... eu não sei se ansiedade me dá tm apetite mas sofrimento me tira daí emagreço pacas... sorte minha.. rs...

Agora sobre estar magra consegue mt coisa.. acho que estar bem se consegue, atrai mts coisas boas... bom-senso é tudo em tudo com corpo com modo de agir... é isso aí

bjs