domingo, 31 de julho de 2016

Página nova

Bem vindos à minha página no facebook www.facebook.com/Res-significar-1105503639489062
A todos que visitam meu blog, convido a conhecer, curtir, compartilhar..
Res-significar....
Abs,

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Res-significar

Em breve minha página no facebook ficará pronta. 
O nome é Res-significar, segundo o dicionário Aurélio "é dar outro significado"...
Como psicóloga acredito nesta possibilidade, gosto disso! Crescí ouvindo as pessoas dizendo "que pau que nasce torto, morre torto".... em algum momento da vida, comecei a duvidar, a questionar; afinal tantas pessoas renascem das cinzas, transformam a dor em possibilidade...
Quando a psicologia se tornou minha meta profissional, o res-significar passou a ser real. Vejo pessoas se ressignificando a cada dia, inclusive eu! 
Isto não tem a ver com perfeição. Tem a ver com humanizar-se, reconhecer defeitos e qualidades, melhorar (ou tentar) a cada dia.
O hífen simboliza uma parada, um respirar, levantar...então vamos para frente.
Abs,
Aguardem..

Imagem: Google images

sexta-feira, 25 de março de 2016

PÁSCOA



Talvez você se pergunte o que tem a ver escrever sobre páscoa em um blog com temas de psicologia. Mas acho que algumas reflexões combinam com este dia!
            Hoje, para os cristãos, é a chamada Sexta feira da Paixão; o dia em que Jesus foi morto em uma cruz. Aquele dia em que a esperança para os seguidores Dele foi embora, um dia triste, coroado de dor. Longos 3 dias na expectativa  que a promessa pudesse ser verdadeira (um pingo de esperança!) e houvesse Ressurreição. E assim aconteceu, em um domingo de Páscoa Jesus ressuscita, o motivo pelo qual cristãos do mundo inteiro, renovam sua fé.
            Ao longo dos anos, este sentido da Páscoa se esvaziou e vemos uma batalha comercial para vender ovos de chocolate (divididos em prestações!!!).
            Falar de morte, dor, falta de esperança não é algo interessante. Mas todos nós vivemos estes momentos na vida. Aquele momento que parece que faltou cor à nossa volta, os céus parecem chumbo! Já passou por isto?
            Vivemos em um mundo que a cada dia procura negar a dor; porém não existe ressurreição sem a morte.
            Para nossa vida há momentos em que é preciso acolher a tristeza, acolher a angústia... é preciso sentir aquilo que dói. Cada dia mais mascaramos a dor. Para evitá-la a sociedade de consumo te ensina a consumir cada vez mais, a sociedade sem vínculos te ensina a ir em busca da próxima aventura.
            É preciso parar, morrer simbolicamente....colocar um ponto final na relação, mudar de fase, mudar o rumo, aceitar que sua família é exatamente desse jeito e tantos outros momentos. Pode ser extremamente doloroso.
            Não há ressurreição sem dor, não há nova vida sem abrir mão da velha.
            Aproveite este dia e reflita... renove suas esperanças, talvez você tenha que deixar algumas coisas morrerem!!

Imagem: Google

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

QUERO MINHA METADE!




É comum, principalmente para as mulheres, dizerem que querem encontrar sua metade... ou estão à espera de alguém que irá completá-las.
            Minha avó dizia que ‘todo balaio tem sua tampa’ (para nós mineiros há outros ditados com o mesmo sentido)
            Assim, a menina cresce esperando encontrar (ou ser encontrada) pela tão sonhada tampa ou sua outra metade que vaga pelo mundo à meia também!
            A verdade é que não existe ninguém que irá nos completar, não existe alguém responsável por nos fazer feliz. É preciso abandonar a fantasia infantil para estar aberto às relações adultas. Continuar nesse ideal de busca pela metade perdida não constrói relações saudáveis.
            Quem espera que outro o complete, ao primeiro sinal de ‘falha’ sai em busca de outra tampa, de outra metade; pois acredita que falhar seja indício de incompletude.
            Quem almeja encontrar felicidade no parceiro (a); foge quando o tempo fica nublado. Nublado podem ser os contratempos da vida, as dificuldades pelas quais todos passamos em um momento ou outro. Pode ser o corpo que não é mais o mesmo do início do relacionamento, pode ser a condição financeira, a saúde...
            Se o parceiro (a) é responsável pela sua felicidade, ele (a) não tem direito a errar, da mesma maneira que a criança acredita que papai e mamãe são seres que são capazes de qualquer coisa e infalíveis!
            Como adultos somos responsáveis por nós – pelas alegrias e tristezas – pelas escolhas que fazemos. Somos responsáveis pela nossa parte em cada relacionamento, é sinal de maturidade assumir o que é seu e parar de responsabilizar/culpar o parceiro (a) por tudo o que deu certo ou errado (na maioria das vezes, o outro é culpado quando algo dá errado).
            Quando se torna responsável por você mesmo, sai da posição infantil de buscar um parceiro (a) com função materna/paterna que te dê garantias que não há monstros debaixo da cama.
            O interessante nas relações afetivas é que as pessoas que ocupam posição infantil se encontram com aquelas que ocupam a posição maternal/paternal e irão construir essas relações infantilizadas que estão cada vez mais comuns.
            Preste atenção no papel que você ocupa, talvez seja o momento de crescer. A psicoterapia sistêmica lança luz sobre as alianças, os mitos, as lealdades familiares que contribuem para que alguns fiquem na posição infantil. É possível fazer as pazes com o sistema familiar e seguir com sua vida. Você faz parte da sua família, mas tem uma história a escrever.
            Talvez você já tenha se acostumado a ser a criança da família, amadurecer às vezes vem com uma crise; acredite: vale a pena ser gente adulta.

           



 Imagem: Google images

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

EVENTOS 2016

Em 2016 teremos oportunidade de nos encontrarmos em diversos eventos.

Aproveite o mês de janeiro para conhecer sobre alguns assuntos interessantes.
 Informe-se sobre as formas para pagamento.



* Workshop DES - COBRINDO OS SONHOS (Teórico/vivencial)
DATA: 15/01/2016
 HORÁRIO: 14:00 - 17:30h
INVESTIMENTO: 300,00
Neste grupo, serão trabalhados sonhos de alguns dos participantes.
Será oferecido coffe break

* Pensamento sistêmico e clínica (psicólogos e profissionais afins que lidam com aconselhamento)
DATA: 21/01/2016 
HORÁRIO: 09:00 - 12:00 h.
INVESTIMENTO: 300,00
Serão oferecidos apostila, certificado e coffe break

* BATE PAPO TERAPÊUTICO (EM BREVE INFORMAÇÕES)

* SUPERVISÃO CLÍNICA (EM GRUPO, PARA PSICÓLOGOS) 
          A PARTIR DE FEVEREIRO 

INFORME-SE ATRAVÉS DE EMAIL: PSICOJA@YAHOO.COM.BR
TELS: 31- 32134330/ 992827626

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Emoções



Este texto nasceu enquanto assistia ao filme Doador de memórias, achei muito interessante e, se você gostar de filmes é uma boa pedida....
            Todos desejamos ter uma vida boa, isenta daquilo que consideramos ruim. Desejamos uma cidade melhor, um futuro melhor.
            O filme retrata uma sociedade limpa, saudável, igual... Igual até demais!!!
            Sem cor! Sem emoções! Tudo definido, sem grandes questionamentos, sem palavras ou situações que causem dupla interpretação.
            As dificuldades, as diferenças nos permitem aprender. Aprender a lidar com os outros e com a gente mesmo.
            Nosso desafio é integrar nossas ‘sombras’, aquilo que não é tão legal em nós mesmos.
            Não somos perfeitos, não acordamos todos os dias de bem com a vida (isso é coisa de rede social e romance), não estamos sempre bonitos, não somos sempre educados....a lista é grande!!
            Mas podemos sentir, podemos re-pensar, fazer diferente daquilo que sempre fizemos ou pensar diferente da família, por exemplo. Podemos recomeçar!
            O passado faz parte do presente e do futuro; a vida segue. É comum as pessoas dizerem em terapia que gostariam de esquecer uma coisa ou outra da vida; isto não é possível, mas é possível transformar, ressignificar.
            Esta é a grande possibilidade de viver: sentir/pensar afim de construir a vida a cada passo.

 Imagem: Google

terça-feira, 2 de junho de 2015

Sonhos



Para algumas pessoas sonhar é algo estranho, sem sentido, embora às vezes aconteça e elas lembrem dos sonhos mas não dão nenhuma importância.
            O fascinante dos sonhos é que eles podem ser compreendidos! São símbolos, falam de nós mesmos. Precisamos “aprender a ler” o simbolês.
            Não existe um livro mágico, um dicionário para explicar o sonho da noite passada. O sonho pertence ao sonhador, em terapia contribuímos para que a pessoa enxergue seus símbolos.
            Qual o sentido desse sonho na sua vida? Neste momento?
            Quando dormimos nosso inconsciente ‘fica mais à vontade’ para nos mostrar algumas coisas.  Sua linguagem surpreende: é atemporal, colorida ou preta e branco, pode parecer confusa, sem sentido. Mesmo assim, algo está sendo dito. Preste atenção e muitos sonhos.

Participe do workshop vivencial Des -  cobrindo os sonhos. Você pode se conhecer, através dos sonhos.

Imagem: Google images