sexta-feira, 2 de maio de 2008

Relacionamentos (virtuais)


Existem! Não devem ser negados ou menosprezados. Podem ou não ser saudáveis. Podem ou não ‘dar certo’.
Porém, nenhum relacionamento sobrevive no virtual, relacionamento precisa de realidade para saber se tem valor.
A realidade traz à prova aquilo que chamou atenção no outro: a conversa agradável, as afinidades, os desejos, projetos. É no real que há a possibilidade de que ele (a) não seja tão belo, tão maravilhoso, tal perfeito quanto foi idealizado (quando há mentiras, é pior).
Mas é diante dessa não perfeição que o relacionamento pode se concretizar, afinal ninguém é perfeito; as diferenças podem contribuir para o crescimento quando há movimento nessa direção.
A prova da realidade pode transformar o virtual em algo real e belo, é preciso se perguntar se há disponibilidade para correr o risco de se deixar conhecer, de se abrir para o outro e ambos construírem algo novo. Ambos se deparem com qualidades e defeitos, mas aprendam a lapidar as arestas.
Do contrário, haverá sempre a possibilidade de se esconder diante da tela do computador e construir um mundo de faz-de-conta, a moderna torre da Rapunzel.
Ninguém tem garantia de que o relacionamento dará certo, não importa se o encontro foi em um bar, no cinema, na locadora ou no computador.
É na realidade que se constrói relacionamentos, é se rela-cionando que há chances de evoluir. É preciso uma boa dose de coragem para tirar os olhos do virtual, de abrir mão da idealização e olhar nos olhos...

Foto:Arquivo pessoal (BH,2007)

5 comentários:

cadeorevisor disse...

Tenho cá minha teoria sobre relacionamento virtual.
Se os envolvidos são seres reais (ainda que haja distância física), o relacionamento é também real. Nada o difere, a meu ver, do relacionamento dito real.
Bem, é só uma teoria.

Grande beijo,

Pablo
http://cadeorevisor.wordpress.com

Anônimo disse...

É uma nova tendência. Exige um certo romper de paradigmas e preconceitos, mas penso que é essencial a disposição de sair do virtual, em determinado ponto do relacionamento, e arriscar o real. Não esquecendo do que diz o artigo, com muita propriedade: "Ninguém tem garantia de que o relacionamento dará certo, não importa se o encontro foi em um bar, no cinema, na locadora ou no computador". E afinal, "dar certo", é algo que depende muito do que se pretende ao buscar um relacionamento. Mas isso é outra história!... Beijos, Cecilia Therror.

Anônimo disse...

Janaína,

Concordo plenamente contigo. Pablo, permita-me discordar de sua opinião. Sou casado há 7 anos e já tive com minha esposa relacionamento real e virtual. Não é a mesma coisa. Uma vez que a dimensão do relacionamento passou pra realidade, onde os sentidos estão envolvidos, você percebe que o simples contato telefônico, mesmo que via skype (com vídeo) não substitui o contato físico. Isto apenas pra ilustrar. Faço-te um convite. Experimente dormir e acordar com a pessoa amada por algum tempo, e depois fique longe dela por outro tempo, tendo apenas contato virtual. Aí você saberá do que estou falando e creio que irá rever sua opinião.
Abraço,
Vinícius V. Santos.

cadeorevisor disse...

Na verdade já fiz isso, Vinícius... a opinião continua. ;-)

Abraço,

Pablo

Florzinha e Lindinha disse...

"É preciso uma boa dose de coragem para tirar os olhos do virtual, de abrir mão da idealização e olhar nos olhos..."

Amei o texto...

Concordo em tudo!